sexta-feira, 9 de julho de 2010

PALOMA E SIMONE = TRAVESTIS


Sempre fui macho e acho até que nutria uma “homofobia” latente. Sou casado de aliança no dedo e tudo o mais, Hoje estou com 40 anos, casado desde os 24 com um relacionamento natural e tranquilo com minha família, minhas ex-namoradas e amigas. Quando cheguei no oitavo ano de casamento, ale da minha mulher não aceitar sexo anal, a rotina havia chegado e eu gostava de me distrair na Internet e como qualquer homem ou mulher fazem, acabei entrando em sites eróticos variados com fotos e com o decorrer do tempo minha imaginação passou a criar fantasias sexuais. O curioso é que não sentia nenhuma atração por homens, mas possuía uma fixação por travestis. Ficava horas na admiração de seus belos corpos, olhando os seios arredondados e sempre duros, suas curvas perfeitas, as nádegas volumosas e, por incrível que me parecia na época, por seus “dotes”, muito deles possuindo um bem maior que o meu. Aquilo tudo passou a mexer muito comigo na minha intimidade e vocês nem imaginam quantas vezes me peguei batendo uma, pensando num daqueles travestis maravilhoso. Mas, como homem macho e casado, sempre guardei isso trancado a sete chaves e tinha certeza que jamais poderia me envolver com uma coisa assim. Passei quase toda minha vida em São Paulo, só depois de casado que me mudei para o Rio de Janeiro, mas uma vez por ano, como combinado com minha esposa, vou à Metrópole visitar meus velhos amigos, recaindo a escolha sempre por um final de semana prolongado por algum feriado e, numa dessas viagens, numa sexta a noite, fui até o litoral e dando umas voltas na cidade de deparei com ruas mal iluminadas e com pessoas que ficavam nas portas e nas calçadas. Diminuindo a velocidade percebi que era uma boate gay e havia vários travestis perambulando pela calçada em frente; recebi alguns acenos, vários sorrisos e convites para entrar, só que com receio segui em frente, lutando contra e tentando me livrar daquele louco desejo. Dobrei duas ruas á esquerda e avistei um barzinho com algumas pessoas. Estacionei e respirando aliviado pedi alguma coisa mais forte que um chopinho. Enquanto bebia o que o garçom havia me oferecido e aliviava minha tensão reparei numa linda gata e sem nenhum sentimento de culpa por ser casado, ofereci-lhe que me acompanhasse numa bebida e iniciamos um papo.

Ela chamava-se PALOMA, não passava dos 23 anos, uma linda loura, de estatura mediana, seios pequenos, uma bundinha maravilhosa numa curta sainha rosa Ao notar meu interesse nela, resolveu revelar-se fe me disse ser um travesti ficando de pé levantou a saia. Me senti meio estranho, mas o meu desejo aflorou com uma voracidade que até então eu não havia sentido por mulher alguma. Para nos tirar do silêncio constrangedor ela me convidou para ir até a tal boate pela qual eu já havia passado e o meu “SIM” foi de imediato e saiu sem eu o sentir. Acabei pagando pra ver, livrei-me dos meus preconceitos e do meu machismo idiota, se não quisesse nada seria só dizer NÃO e ir embora, ninguém sairia prejudicado em nada. Paguei a conta e fui com ela. Na entrada muitos olhares, muita gente comum, gays, travestis e “afins”.


Notando que não conhecia ninguém, me senti mais leve e acabamos entrando na Boate. O ambiente era alegre e bem diferente de tudo que tinha visto anteriormente. Nos dirigimos ao bar e no caminho era tanta gente que acabamos nos perdendo um do outro. Fiquei sozinho num local desconhecido para mim e bateu a maior insegurança. Enquanto caminha levei mais de dez palmeadas no pau e perdi a conta de quantas na bunda. Acabei encontrando Paloma com o olhar, ela conversava com outras pessoas, assim que me viu, veio em minha direção e conseguimos chegar ao bar. Ficamos ali sentados, bebendo e a certa altura ela com a mão alisando minha perna, fazia meu pau subir e dar pulos por baixo da calça. Sei lá se foi a bebida, meu tesão ou qualquer outra coisa só tive uma certeza: Era Paloma que seria meu primeiro travesti e eu sem pestanejar a convidei para ir pra cama comigo, meu convite foi aceito imediatamente e com um sorriso lindo, só que antes ela vendo alguma insegurança em mim me perguntou:


= É a primeira vez que você sai com um travesti?


Respondi afirmativamente, mas que não tinha nada a ver, pois estava com vontade mesmo de saber como seria. O sorriso de alegria de Paloma foi instantâneo e passou a me falar:


= Moro sozinha e se você quiser nós podemos ir na minha casa.


Já na saída ela parou para falar com uma amiga que lhe acenava nervosamente. Fui apresentado a SIMONE e Paloma me perguntou:


= Seria possível você dar uma carona para Simone ela mora pertinho de onde nós vamos.


Disse que seria um prazer, entramos no meu carro, as duas iam conversando. Simone era morena, cabelos longos, de estatura bem mais alta que Paloma, vestia-se com uma saia curta que deixava à mostra um belo par de coxas. Enquanto falavam, Paloma já me alisava o pau e Simone deitava elogios e dizia a inveja que tinha de nós dois pela noite maravilhosa que viria pela frente, foi quando fiquei surpreendido com a pergunta de Paloma:


= Já que é a sua primeira vez com um travesti, porque não se libera mais e aproveita a oportunidade, podemos ir nós três lá pra casa, seria algo muito especial. O que você acha amor?


Aceitei na hora de tanto tesão que estava e os risos e gritos tomaram conta do ambiente dentro do automóvel e nos dirigimos para onde morava Paloma. Chegamos em um apartamento de decoração requintada, mas ao mesmo tempo aconchegante, completamente prazeroso. Paloma me deixava à vontade enquanto Simone foi preparar umas bebidas, que saboreamos sentados sobre almofadas espalhadas aleatoriamente no chão da sala. Fomos bebericando e conversando, eu falando mais que todos e contava sobre as fantasias sexuais e fui sentindo mãos e bocas me percorrendo o corpo inteiro, minhas blusa foi desabotoada, senti minha calça escorregando pelas minhas pernas e uma mão entrando pela minha cueca agarrando meu pau e trazendo pra fora. Era Paloma.

Ouvi mil elogios e senti caricias divinais enquanto a mão de Paloma iniciava um punheta, deixando meu pau ainda mais duro. Simone levantou-se e tirou sua roupa ficando apenas com suas jóias e uma minúscula tanguinha com alguns enfeites incrustados. Colocando o dedo na boca nos deixou apreciar seu lindo corpo. Belos seios, curvas maravilhosas numa perfeita pele morena.


Tudo o que estava acontecendo e o que eu sentia me davam mais certeza de que tudo que eu queria era estar ali naquela situação. Minha roupa toda foi tirada, Paloma deitou-se já nua ao meu lado e logo pude sentir seu pau encostar-se na minha perna enquanto ela lambia e mordiscava meus mamilos. Senti uma boca quente e vi que era Simone abocanhando meu cacete duro. Paloma foi descendo e senti sua língua indo até meu saco e minhas bolas adentrarem em sua boca, que foram e logo as duas foram engolidas.


Levantando-se ela resolveu se livrar da tanguinha também e fez isso tudo de costas para nós, e pude ver o rabo mais perfeito da face da terra. Coloquei Paloma sentada numa cadeira de madeira e ficando em pé deixei que ela me mamasse no meu pau enquanto olhava Simone ainda de costas para nós.


Simone encaminhou-se até a cama de Paloma, deitou-se e foi levantando o corpo lentamente enquanto nos olhava com a cabeça virada pra trás, foi quando além daquela bunda maravilhosa o tamanho da sua pica.


Simone então voltou a juntar-se com a gente. Me virei e fui até aos peitos dela, lambendo-os e alisando seu corpo com o maior tesão, acabei encostando na cabeça de seu pau, quando percebi estava agarrando-o e vi o quando era grande e grosso Acho que ela pensou que era Paloma que estava segurando em seu pau, pois pediu:

                                             = Aperta ele e coloca na boca.


Segurei e apertei com mais força, olhando bem aquele cacete e pensando se deveria fazer aquilo, a língua de Paloma já percorria minhas nádegas indo até meu cuzinho não me deixando outra alternativa, então enfiei o caralho de Simone na boca. Era algo duro, grande, quente, macio, úmido e que sentia latejar com força e me enchia toda a boca. Os incentivos de Paloma para que eu mamasse o pau e Simone eram enormes enquanto ela colocava uma camisinha no meu cacete, ajeitando-se veio sentar-se sobre meu pau e fazendo ele entrar todo dentro do seu cuzinho foi soltando gemidos escandalosos, enquanto Simone se levantava e sentava com o rabo na minha cara esperando minha língua em seu cu e chupava o seio de Paloma.

Eu lambia o cu de Simone e outras vezes aquele caralho delicioso entrava na minha boca. Eu o peguei, como se o masturbasse com a boca, enquanto Paloma subia e descia no meu pau fazendo-o entrar tudo dentro de seu cuzinho. Simone delirava e gemia muito, metendo com mais força em minha boca. implorando para lhe chupar a cabeça da pica e eu ficava passando a língua em volta daquela cabeçona lisa e roliça, beijando-a, lamabendo e voltava a enfiar na boca chupando com vontade. Isso aumentou mais ainda o meu tesão e mandei que elas se levantassem, coloquei Simone de joelhos numa cadeira, mandei que ela abrisse a bunda, apoiei um dos meus pés sobre a cadeira e mandei ver. Enfiei meu pau naquele cu quente que piscava sem parar enquanto ela soltava gritinho de prazer e rebolava a bunda com satisfação.
Larguei o cu de Simone, deitei-me sobre a cama chamando Paloma que veio toda saltitante sentar-se no meu pau. Eu segrava em sua perna enquanto minha pica entrava naquele cuzinho quente. Levantava-a e soltava seu corpo sobre meu pau que entrava enquanto ela rebova a bunda e gemia sem parar, me pedindo que metesse nea com força que arrombansse o seu cuzinho que adorava minha pica e eu ficava ali metendo sem parar. até que não aguentando mais soltei jatos de porra inundando o cu de Paloma que apertava a bundinha em torno do meu caralho.


Ela esperou minha pica amolecer e levantou-se as duas me colocaram de quatro, Simone veio me dar tapas na bunda e foi lambendo e mordendo minhas nádegas, abrindo minha bunda e enfiando a cara nela enquanto minha porra começava a sair do meu cu ela ia lambendo tudo e se deliciando. Ela então parou de me lamber e só a ouvi dizer para Paloma:


= Vai agora amiga que ta bem lubrificado com cuspe.


Senti a ponta da cabeça do pau de Paloma encostar em meu rabo e relaxei, ela forçou e forçou mais, a cabeça entrou me tirando o ar dos pulmões. tentei sair mas as duas me seguraram e enquanto eu gemia Paloma foi me enfiando seu caralho até que senti suas bolas encostarem-se no meu saco. E ela ficou parada por alguns minutinhos e iniciou um vai e vem delicioso, em alguns momentos lento outras vezes mais rapidamente, mas sempre tirando e enfiando tudo. Com umas três estocadas mais profundas senti aquele pau engrossar e despejar em masi de des esguichos jatos de porra quente no fundo do meu cu.

Ficamos deitados na cama nos acariciando e as duas eram unânimes em dizer que não entendiam como um homem como eu, macho e sem qualquer experiência com travestis, tinha feito tudo aquilo tão bem, tão gostoso e tinha sido a melhor foda que elas já tinham tido na vida.


Desde este dia aprendi a adorar os travestis, largando todos os meus preconceitos sou uma pessoa bem mais feliz. Quando tenho oportunidade volto a sair com Paloma e com Simone, e adoro as duas, são minhas melhores amigas Continuo casado e bem casado. Adoro mulheres, mas... uma mulher com a pegada mais forte, uns centímetros a mais e bem duro é tudo de melhor. Por isso não canso de dizer:


EU AMO MUITO “TUDO” ISSO E MAIS UM POUCO.

3 comentários:

  1. Gostei cara, você foi corajoso. Espero ter a mesma coragem que você teve para transar com uma travesti.

    ResponderExcluir
  2. sou casado hetero,e tb de uns tempos pra ca entro em sites so pra ver travestis,e me excito com seus paus e tb de ser comido por uma travesti.parabens a vc kra to com muita inveja d vc. Eriveltocandido@hotmail.com

    ResponderExcluir